Dicas

Doenças e problemas de nossos galos.

AFTA OU PLACA SIMPLES – Pequenas placas que se formam perto da língua e garganta dos galos e que são curáveis com Baytril 5%, na dosagem de 0,5 ml durante 10 dias intercalados ou Albicon (humano). Lavar com Permenganato de Potássio na medida de 1 x 10. Também poderá ser feito um tratamento com Fornegin spray de 3 em 3 horas, Cotonax ½ comprimido durante 20 dias, e Pentacilin 2 dias – 1 dose.

ANOREXIA – Falta de apetite e emagrecimento causado por doenças ou verminoses. Podemos superar esse problema com o fornecimento à ave de Potenay B12 ou Vitagold Potenciado.

APANTOTENOSE – Doença causada pela deficiência de vitamina B3. Os sintomas são lesões de pele, pálpebras, cantos dos bicos, pernas e pés. Problemas que também poderão ser resolvidos com o fornecimento de Potenay B12 ou Vitagold potenciado.

ARISTIN OU SARNA PODAL OU CASCÃO – Crostas que se formam nas pernas. Como tratamento lavamos as partes afetadas com sabão grosso e escova dura, para remover parte da crosta. E besuntamos com uma mistura de vaselina e querosene, até acabar o problema. Acarsan loção humana. Óleo queimado.

ARRIBOFLAVINOSE – Doença causada por deficiência de vitamina B2. Os sintomas são dedos torcidos, neuromalácia e crescimento fraco. Problema que também poderá ser resolvido com Potenay B12 ou Vitagold potenciado.

ASPERGILOSE Causa problemas no sistema respiratório dos pintos apresentando ruídos na traquéia, respiração acelerada e difícil, olhos inflamados, sede, asas caídas, febre, sonolência, fraqueza, falta de apetite, perda de peso. Não existe tratamento. Pode-se tentar a Bisolvomycina injetável, que é um excelente antibiótico.

BOQUEIRA – Calosidade formada na junção dos bicos. O tratamento é limpar o local e pincelar com Iodo Metalóide(25g de iodo para 100ml de álcool) diariamente até a cura. Rifocina spray.

BOUBA OU EPITELIOMA CONTAGIOSO – Aparecimento de caroços que se espalham pela cabeça e às vezes pelo corpo da ave. Há diversos tratamentos: aplicar Terramicina LA e pincelar os caroços com uma pomada de banha e sal, vaselina fenicada a 2% ou solução de glicerina iodada, ou mesmo cauterizar os caroços com ferro em brasa.
Oferecer diariamente pela manhã, 6 grãos de pimenta do reino, até que os caroços da bouba sequem e caiam. Tempero pronto(alho e sal). Pimenta moída na ração. Poupa de tomate com sal. Porém a melhor maneira de ficarmos livres desses problemas é vacinar as aves.

BRONQUITE INFECCIOSA OU LARINGOTRAQUEÍTE – Doença respiratória que ataca pintos até 2 meses. Apresenta tosse, ronco, corrimento nasal, dificuldade de respirar, olhos lacrimejantes, rosto inchado. O tratamento consiste na aplicação de antibióticos como Bisolvomycina, Terramicina LA, Ampitec e a complementação com vitamina A para uma recuperação mais rápida. Pentabiótico reforçado. Ampicilina sódica. Aminofilina.

CABEÇA ABERTA – Consiste na fragilidade do couro que protege a cabeça da ave na parte superior. A solução está em uma cirurgia na qual fazemos um corte e retiramos totalmente a pele fragilizada. Em seguida fazemos o descolamento parcial da pela na região ao redor de onde fizemos a retirada, unimos cuidadosamente fechando a abertura e ponteamos cuidadosamente. Medicamos com medicamentos cicatrizantes e é só esperar que a natureza encarrega-se do resto.

CALOS – São o resultado do contato constante com o piso duro. Em alguns casos a aplicação de sebo quente resolve. Entretanto, na maioria dos casos, é necessário se fazer uma cirurgia para estirpar o calo. Corta-se em cruz, retira-se o calo e desinfeta-se com éter, iodo ou cauteriza-se. É muito importante que a ave com calos seja colocada em gaiola sem poleiro e com piso de areia macia.

CARUARA OU GOTA – Doença que ataca a articulação do joelho dos galos, principalmente, os mais velhos. Começa com uma pequena película na articulação e se não for cuidado no início torna-se grossa e inutiliza o galo.
O primeiro passo é mudar a ração retirando milho e proteína. Substituindo pôr verduras e outros cereais. Pincela-se o local com enxofre com óleo, pomada de penicilina, Bactrovet Prata.

COCCIDIOSE OU EIMERIOSE – Parasitas que atacam o intestino principalmente dos pintos. Os sintomas são diarréia de sangue, asas caídas, penas eriçadas, anemia, perda de apetite, perda de peso e desidratação. O tratamento pode ser feito com Vetococ, Amprol, Sulquin e as vitaminas A e K.

CÓLERA OU PASTEURELOSE – Doença contagiosa de alta mortalidade. Os sintomas são: depressão, tristeza, cabeça sob as asas, sonolência, diarréia verde-amarelada, as aves não bebem e nem comem, a crista e as barbelas ficam arroxeadas, em alguns casos as barbelas, brincos, base dos pés e joelhos ficam quentes. O tratamento é à base de Vetococ, Clorantrat, Ampitec Teluricol, etc. porém, a vacina é o meio mais eficiente de livrar-se da doença.

COMPLEXO LEUCÓTICO AVIÁRIO ( Marek e Leucose ) – Doença contagiosa que pode ser transmitida até por descendência genética. Tem um índice de mortalidade em torno de 99%. Apresenta-se de diversas formas e os sintomas que antecedem ao aparecimento da doença são: a ave começa a beber água acima do normal e os grãos de alimento às vezes são expelidos inteiros nas fezes.
As diversas formas da doença são:

Forma Nervosa – paralisia de pernas, pescoço e asas.
Forma Ocular – a ave fica com o chamado olho de peixe.
Forma Aguda – empalidecimento progressivo até a morte.
Forma Visceral – a ave seca lentamente.
Forma Óssea – os ossos das asas, pescoço, pernas se deformam, ficam encaroçados.
Forma Ulcerosa – uma ferida mal cheirosa aparece no corpo, geralmente próximo ao encontro da asa aumentando em pouco tempo.
Barriga D’água – o abdome vai avolumando pouco a pouco, cheio de líquido. Há casos da ave aumentar mais de 1 kg.
Forma Diftérica – placas diftéricas aparecem na garganta da ave e não há antibiótico que debele o mal. Pode durar até 1 ano mas sempre sobrevem a morte.

Fora a vacina para a doença de Marek, que deve ser aplicada no 1o dia de vida, não há tratamento para essa doença.

CORIZA – Inflamação da mucosa, dos séptos nasais e da conjuntiva ocular. Os sintomas são: espirros, tosse, dificuldade de respirar, corrimento nasal, face inchada. O tratamento pode ser feito com Terramicina LA, Tylan, Vetococ, Ampitec, Baytril, Flotril, Iflóx etc.

CRUEIRA OU CASTANHA – Proveniente de medicação mal feita após o combate. É o acúmulo de sangue coagulado ou pus entre os tecidos. Em qualquer caso a melhor solução é a cirurgia, onde será retirado todo o processo, cauterizado com iodo. Dão-se alguns pontos sem fechar totalmente, para que a cicatrização se dê de dentro para fora.

DESINFECÇÃO – Na desinfecção da água de bebida para eliminas germes e bactérias podemos usar o Biocid, na proporção de 1 ml para 2 litros de água. Na desinfecção de gaiolas e aviários podemos usar o próprio Biocid ou Creolina.

DIFTERIA (PLACA) – É derivada da bouba. De difícil tratamento, principalmente em estado avançado. Temos várias indicações de cura que são: injeções intramusculares de Urotropina a 25%. Pincelar com uma mistura de Iodo e Glicerina. Pincelar com Azul de Metileno. Tocar as placas com Nitrato de Prata. Tribissen, Lincospectin, Própolis, querosene, Penicilina+estreptomicina injetado na cabeça. 1 grama de sulfato de cobre em ½ litro de água e dar a ave por 5 dias. Benzetacil injetável. Keflex ou Cefalexina. Ganadol pomada. Tetrex comprimidos. Violeta Genciana.

DRC – DOENÇA RESPIRATÓRIA CRÔNICA Doença respiratória que ataca o sistema respiratório superior e inferior, inclusive os sacos aéreos. Os sintomas são: tosse, espirros, dificuldade de respirar, corrimento nasal, cara inchada, perda de apetite, perda de peso, enfraquecimento e diarréia. O tratamento é feito com Terramicina LA, Ampitec, Estreptomicina, Tylan, Pulmodiazin, etc.

EMPAPAR – Retenção de alimento no papo, por doença ou outro motivo qualquer. Pode ser resolvido com: Sonrisal, Coca-cola, Cebola picada, Lacto-purga.

ENCEFALOMIELITE – Afeta o sistema nervoso dos pintos. Os sintomas são: expressão dura, opaca e sem vida no olhar. Incoordenação dos movimentos das pernas e das asas. A ave senta-se sobre os joelhos, cambaleia e não consegue mover-se. Tremores na cabeça, pescoço e corpo. Não come, nem bebe. Perde ou enfraquece a voz. Não existe tratamento, apenas prevenção pela vacinação.

ENTERITE ( E.Coli ) – Inflamação do intestino. Os sintomas são: falta de apetite, tristeza, diarréia, palidez, penas eriçadas, perda de peso e má conversão alimentar(empapar). Se os sacos aéreos também forem infectados, pode haver tosse e ronqueira. O tratamento é feito com Neomicina, Ampitec, Terramicina, Penicilina, Estreptomicina.

ESPIROQUETOSE OU BORRELIOSE OU ESPIRILOSE OU NORDESTE – Doença transmitida por carrapatos. Os sintomas são: tristeza, febre, diarréia verde, perda de apetite. O tratamento é feito com Benzetacil, Ampitec, Neomaizon. E deverá ser feita a pulverização das instalações para eliminação dos carrapatos.

FAVO OU TINHA OU BOUBA BRANCA – Espécie de fungo parecido com mofo, que aparece na crista, barbelas e às vezes espalha-se pôr outras partes do corpo. O tratamento pode ser feito com enxofre com óleo ou Daktarin loção, Cetaconazol, Fungol, Ácido Bórico, vaselina formolada, vaselina boricada.

GALO RONCANDO – Tyladen aplicar 3 doses de ½ ml em dias alternados. Tormicina 100. Violeta Genciana 2 vezes ao dia. Agrovert e Flotril 10% aplicar 1 ml por 3 dias alternados, Amoxacilina.

GOGO – Doença que surge por causa de correntes de ar, mudanças de temperatura, umidade e frio excessivos. Os sintomas são olhos lacrimejando, corrimento nasal fétido, perda de apetite. Se não for cuidado se tornará crônico. O tratamento pode ser feito com Terramicina LA, Tylan.

HEMORRAGIAS – Poderão serem usados os produtos a seguir: Ipsilon comprimidos. Hemostop. Vitamina K injetável, Efederm.

HEMORRÓIDAS – Vez por outra encontramos um galo com esse problema. Como tratamento, devemos lavar o local com Permanganato de Potássio misturado a água na proporção de 1 colher de chá para 1 litro de água. Durante o tratamento a ave não deverá ser alimentada com milho, somente com pão com leite e banana com casca. Aplicar 0,5 ml de Baytril a 5% durante 5 dias alternados.

ICTERÍCIA – Não é comum. Os sintomas são: pele e tarsos amarelados excessivamente, temperatura abaixo do normal, perda do apetite em alguns casos, sensível perda de peso, músculos flácidos, a ave passa mais tempo deitada. Fácil de curar se descoberta a tempo. O tratamento começa com a suspensão do milho. Alimentar a ave com arroz com casca, aveia sem casca e triguilho, bastante verdura. O tratamento pode ser feito com purgantes salinos, como seja o sal amargo e fornecer Extrato Hepático na água de bebida. Há uma receita que consiste em tostar uma castanha de caju com casca e tudo, triturar e fazer uma papinha misturando um pouco de leite e dar ao galo em jejum.

MONILIASE – São ulcerações que se formam na mucosa digestiva. Poderá ser tratado com Pentabiótico pequeno forte. Nistatina

NEWCASTLE OU PNEUMECEFALITE – Vírus que propaga-se rapidamente. Os sintomas são: perda do apetite, espirros, tosse, dificuldade de respirar, paralisia parcial, tremores, torcedura do pescoço, cambalhotas para trás, caminhar em círculos. Não há tratamento eficaz, apenas prevenção pela vacinação.

OFTALMIA  Problemas de visão que podem Ter diversas causas. Sempre que for notado qualquer lacrimejamento, vermelhidão ou inflamação ocular deveremos Ter sempre um bom colírio ou pomada e fazer dela uso imediato.
Geralmente os problemas oculares são de 3 tipos:
1- Infecções : que devem ser tratadas com pomadas de antibiótico como: Biamotil, Tobrex, Ciloxan, Tetraciclina. etc.
2- Pancadas ou Perfurações : nesse caso a primeira providência deverá ser proteger a ave, principalmente do excesso de luz e usar as seguintes pomadas: Maxitrol, Tobradex, Biamotil-D, Dexafenicol, Eptezan.

O resto é com a boa capacidade de recuperação da ave.

No caso de pancada com edema de sangue no interior do olho. Efetuar, na hora, um corte ou perfuração no céu da boca do galo, do lado do olho atingido e deixar sangrar. Dipirona gotas para baixar a pressão. Hortelã. Água c/açúcar.

ONFALITE – Infeção bacteriana do umbigo dos pintos recém nascidos. O tratamento consiste na manutenção de temperatura ideal e o uso de Penicilina e Estreptomicina. O melhor meio é a prevenção com limpeza desinfeção e temperatura e umidade corretos.

OSTEOMALÁCIA – As aves apresentam-se com os ossos moles e fracos. Problema que poderá ser resolvido com Catosal, Calcifetrim.

OTITE São inflamações de ouvido muito comum nos galos. Podemos usar o Oto-vet gotas que é fabuloso. Também tem o Panotil, Ouvidonal.

OTORRÉIA – Corrimento amarelo que se forma no ouvido das aves. Poderá ser resolvido com o uso de OTO-VET.

OVO VIRADO – Problema com que podemos nos deparar envolvendo às vezes uma reprodutora muito importante. Um purgante de óleo de rícino poderá ajudar a resolver o problema, mas a solução dependerá muito mais da habilidade daquele que estiver cuidando da ave. Existem pessoas que com muita precisão conseguem fazer a retirada do ovo e solucionar o problema.
Existe um produto chamado Prolacton veterinário. Aplicar 1 ml, caso não saia na primeira, aplica-se outra dose com 12 horas. E caso ainda não, outra dose com 24 horas.

PARATIFO – Causada por salmonela. É similar à pulorose e os sintomas são: pintos com asas caídas, penas arrepiadas, diarréia, cloaca empastada e com tendência a se amontoarem juntos. O tratamento pode ser feito com Vetococ ou Quemicetina oral.

PÉ INCHADO OU OUTRA ARTICULAÇÃO – Bastante comum. Pode ser resultado de pancadas, perfurações, etc. A primeira providência será por a ave em gaiola com piso de areia fina e retirar o poleiro. Podemos utilizar, dependendo do motivo da inchação, o expediente de engessar o pé da ave. Usamos para isso gase gessada, encontrada em qualquer farmácia. Durante o tempo em que estiver engessado o galo deverá receber aplicações de 2 em 2 dias da Rifocina injetável, na proporção de 0,5 ml, juntamente com antitóxico oral na proporção de 1 ml diário. Também poderá ser usado, tanto no caso do uso do gesso, como em caso de perfurações o Cort-trat injetável na proporção de 0,2 ml de 2 em 2 dias. Outro tratamento consiste no uso de um recipiente com água. Hora com água morna com sal. Hora com água e pedras de gelo. Isso pelo menos 4 vezes por dia, e deixar o galo com os pés mergulhados por uns dez minutos ou mais. Também podemos aplicar o Pedref a 2% na dose de 0,5 ml durante 4 dias. De resto muita paciência. Benzetacil injetável. Agroplús injetável aplicar 3 doses de ½ ml em dias alternados por via subcutânea, Fenil Butazona.

PEITO ROXO – Infecção provocada pôr deficiência de selênio. Os sintomas são: o peito, asas, face e articulações ficam roxo-azulados. Há um exudato gelatinoso entre os músculos e a pele. Aves deprimidas com cabeça e joelhos inchados, pálidas, diarréia, perdem peso, recusam-se a caminhar. O tratamento é feito com Quemicetina oral, Clorantrat, tudo que contenha Cloranfenicol.

PERDA DO BICO – Hoje com a qualidade dos bicos metálicos, esse problema tornou-se mais facilmente solucionável. Entretanto nunca será demais aprender. No caso da perda do bico inferior dificilmente o mesmo voltará a recuperar-se 100%. No caso de perda de bico, seja superior ou inferior, a primeira providência será colocar o animal em lugar que ele não tenha a mínima condição de bicar superfície dura. Isso inclui o recipiente onde é fornecida a alimentação e água. Deveremos fornecer alimentação rica em proteína e cálcio. E aplicar sobre o bico afetado o ungüento de Basilicão. O resto é paciência.

PERNA QUEBRADA – No caso de quebra de perna ou coxa, deveremos engessar com cuidado, usando a gaze gessada e colocá-lo numa camisa pendurado no teto da gaiola, de forma que as pernas não toquem o piso. Ficando com as asas imobilizadas para não debater-se. O papo e a cloaca livres. Com água e comida ao alcance. A alimentação deve ser de preferência, ração para pintos, molhada, com banana e verduras. Aplicar 0,5 ml de Baytril a 2 ou 5% por 3 dias consecutivos.

PEROSE – Doença dos pintos que causa deformidade dos ossos, causado por desequilíbrio de fósforo, cálcio e magnésio. Poderá ser resolvido com Potenay B12.

PEVIDE – É conseqüência de uma estomatite. Um laxativo de Maná e Sal Amargo ajudará a fazer desaparecer a pevide sem que se faça necessário a extração.

PIOLHO, CARRAPATO E PICHILINGA – São parasitas de galinheiro. O tratamento será feito com a aplicação de Talfon ou Bolfo em pó, tanto na ave quanto nas instalações. Pode ser feito ainda com o uso de Kattox, Buttox ou similar na proporção de 2 ml para cada 1 litro de água. Pulveriza-se instalações e aves. Acatak. Ivomec aplicar 0,2 ml subcutâneo.

POSTURA Para galinhas que param de botar por muito tempo sem explicação. Aplicar 1 ml de Pró-Cio veterinário. Repetir com 15 dias e duas vezes mais de 30 em 30 dias.

PULOROSE OU SEPTICEMIA OU DIARRÉIA BRANCA – Similar ao paratifo. Conhecida como diarréia branca dos pintos. Os sintomas são: diarréia branca, asas caídas, sonolência, empenação parece molhada, pintos gritam ao defecar, cloaca empastada. O tratamento poderá ser feito com Vetococ, Quemicetina oral, etc.

RAQUITISMO – Ausência de vitamina D na fase de crescimento, causa a deformação dos ossos, principalmente as pernas e a quilha. O mal pode ser evitado se juntarmos à ração a farinha de ossos, caucáreos e óleo de fígado de cação.. também temos a ADE injetável. Catosal. Potenay B12.

REUMATISMO – Não é muito comum, entretanto pode ocorrer. Os animais ficam com pernas fracas até não poderem mais andar. Deve ser evitada a umidade nas gaiolas. Segundo alguns a alimentação de carne crua e ostras moídas é muito benéfica.

SINGAMOSE – Bocejo ou pigarro causado pôr um verme que vive na traquéia, roubando sangue e dificultando a respiração. O tratamento pode ser feito com Gogol, Averol, Vermogim.

TETRAMEROSE – Enfermidade causada pela ingestão de bichos como barata, mosca, gafanhoto, etc. A ave contaminada continua a alimentar-se normalmente. Porém perdendo peso. É atacada pôr diarréia aquosa abundante. Não há tratamento específico.

TIFO OU ENTERITE OU MAL TRISTE – Causado pôr salmonela. Os sintomas são: sede, perda de apetite, diarréia verde-amarelada, aves isolam-se, asas caídas, cabeça baixa e embaixo da asa, febre alta, morte em 1 ou 2 dias após os primeiros sintomas, apresentam o músculo do peito com aparência de cozido, ficam empapados, cristas e barbelas empalidecidos. Tratamento com Vetococ, Ampitec, Teluricol, Quemicetina oral ou Clorantrat.

TUBERCULOSE – Semelhante ao humano a ave tem dificuldades respiratórias e emagrece rapidamente. Poderá ser tratado com Dihidroestreptomicina, Sulfabiótico.

TUQUE São lesões neurológicas causadas pôr esporadas durante o combate. E que podem inutilizar o animal. Porém a inutilização geralmente é causada pela deficiência na medicação da ave. O galo tucado em combate deverá ser medicado imediatamente após o combate. Existem medicamentos que quando bem usados podem recuperar totalmente a ave. São eles:
Cort-trat ou Azium (Dexametasona ) – injetável
Nootropil – injetável
Dexa-Citoneurin – injetável
Organoneurocerebral – comprimidos

VENTOSIDADE – Pode ser causado pôr excesso de esforço em treino ou combate. Esse excesso de esforço geralmente acontece pôr deficiência de preparação física da ave. O esforço causa a ruptura de sacos aéreos e a penetração do ar no corpo pôr baixo da pele, transformando-se em verdadeira câmara de ar. Não se pode resolver facilmente o problema, porém pode-se cortar a pele em vários pontos para fazer sair o ar. Deixar a ave bastante tempo sem fazer esforço para esperar que o mal, com sorte, não retorne.

VERMES NOS OLHOS – Pequenos vermes que causam inflamação nos olhos das aves. São os Oxyspirura. Existe uma cura caseira que sempre usei com bom resultado. Consiste em pingar 3 gotas de iodo em 2 ml de água e misturar. Em seguida com a ajuda de um conta-gotas instilar nos olhos da ave.

VERMINOSES – Os mais comuns que parasitam as aves são: a tênia, ascaris, heterakis e capilária. Para eliminação podem ser usados o Mebendazol, Ivomec, Systamex, o Proverme ou outros similares. Eu gosto muito de usar uma medicação caseira que aprendi quando garoto. Ela consiste em oferecer ao galo um pedacinho de sabão comum de mais ou menos 1 cm2 , uma vez ao mês. Notamos que após ingerirem o sabão as aves passam a alimentarem-se melhor. Também costumo passar no liqüidificador algumas folhas de mamoeiro com água, peneirar e administrar uma pequena medida do líquido diretamente a cada galo ou galinha. Para a tênia encontramos grande eficiência no Iomesan ou Vetox (humano). Vermífugo para cães ¼ de comprimidos.

OBS. : Todo criador deve Ter em casa e sempre à mão o medicamento COLIBAN Oral, pois o mesmo é de uma versatilidade a toda prova. Qualquer problema que aparece no aviário e que não conseguimos detectar com precisão este medicamento resolve a maioria. É aconselhável de 2 em 2 meses colocá-lo na água de bebida de todas as aves, durante 3 dias como preventivo contra infecções.

Criação e Manejo

Da Seleção dos Padreadores até 12 meses de Vida

Introdução

Esta é a cessão mais difícil de ser editada pois cada criador possui uma forma de lidar com seus combatentes, com certeza alguns irão discordar de nossa forma de criar, por outro lado muitos irão obter preciosas informações. Quero deixar claro que as técnicas aqui mostradas foram testadas e são utilizadas por nossa cocheira.

Seleção dos Reprodutores

Todos os galistas buscam a cada temporada melhor o seu plantel e para isto é indispensável uma escolha perfeita dos reprodutores.
A parte mais complicada nesta seleção é sem duvida alguma escolha da matriz, pois não sabemos como é briga do animal, se usa esporas, se é boa de boa ou raça. Então para escolher uma boa matriz é imprescindível sabermos a procedência do animal, quem é a mãe, o pai e se os seus irmãos são bons de briga; podemos levar em conta o tamanho e os mais detalhistas a cor da matriz(é indispensável que o animal seja 100% sadio).
Agora após ter escolhido uma boa matriz devemos encontrar um galo que será o mais perfeito possível, ou seja, tenha raça, seja bom de briga e use bem as armas, além disto é importante que os seus pais e irmão sejam de qualidade comprovada na rinha.
Fazendo a escolha desta forma a probabilidade de tirar bons exemplares é bastante elevada.

Cruza

A cruza deve ser feita da maneira mais controlado possível, para que possamos identificar sem duvidas quem é o pai e a mãe do animal, desta forma poderemos identificar as cruzas melhores ou seja o casal que produz mais galos de qualidade e eliminar o animal que não produzir o índice esperado. Nesse processo o ideal é possuir cruzadores com aproximadamente 50 x 150 cm, onde colocaremos um Galo e uma Galinha, um ninho bebedouro e comedouro apropriado; podemos colocar areia no chão para que se conserve mais limpo (pó de serra ou palha de arroz não é apropriado), o Galo deve passar no mínimo um período com cada galinha sendo que pode deixar a galinha sem o galo por 2 ou 3 dias. Desta forma um galo pode cruzar com 5 ou 6 galinhas de forma adequada. Vale lembra que de 4 em 4 meses os animais devem ser vermífugados, durante a cruza devemos alimentá-los com ração de cavalo e milho e não podemos deixar faltar água limpa e fresca.

Cuidados com os Pintos

A galinha estando separada no cruzador vai chocar os ovos de forma segura, raramente iremos perder um ovo, pois, ela estará sozinha para cobrir os ovos, quando a galinha tirar os pintos, eles devem ser criados com sua mãe em “pinteiros” que são gaiolas pequenas cobertas com serragem, nessa faze o pinto deve se alimentar com ração para crescimento de boa qualidade, e uma vez por dia podemos molhar essa ração e ministrar com o cuidado de não deixá-la azedar (a ração molhada os fará comer mais), água sempre limpa de durante todo o tempo, a partir de dois meses e meio já podemos distinguir facilmente os machos e fêmeas com menor índice de erros. Então, colocaremos machos e fêmeas em piquetes de crescimento separados, nos piquetes que crescimento temos um local fechado com puleiros onde todas as noites as prenderemos para passar a noite ou abrigá-los da chuva
A chuva, o frio e dormir no sereno, traz muitas doenças, tome cuidado com isso! Nesta faze os alimentamos com ração de crescimento e milho quebrado. Quando atingirem cinco meses podemos colocá-los em piquetes maiores sempre mantendo separados os machos das fêmeas. Seguindo os processos acima e ministrando ração de boa qualidade os macho irão começar a cantar com 9 ou 10 aproximadamente neste período é que os frangos começarão a manifestar o seu extinto belicoso esta é a hora certa de iniciarmos os treinamentos e posteriormente classificá-los. As fêmeas não são o objetivo da criação de combatentes, mas temos sempre que ter um bom plantel de matrizes, logo, devemos descartar as que não nos servirem como matrizes.
Não podemos esquecer da vacinas, pois estas irão garantir a boa saúde dos combatentes.

Vacinação

O ideal é vacinar as ninhadas nos primeiros 7 dias contra a BOUBA e DOENÇA DE NEWCASTLE que são as mais comuns em nosso meio Existem vacinas para outras doenças como MAREK, CORIZA, ENCEFALITE, CÓLERA, mas nem sempre são encontradas nas doses para pequenos criadores. Com exceção da Doença de MAREK, as outras podem ser evitadas com higiene e quarentena dos novos hóspedes e “viajantes”.

 Programa de vacinação

Doença de Marek – vacinação única no primeiro dia de vida com vacina Bio-Marek-Vet L ou C (HVT) na dosagem de 0,2ml subcutânea; Doença de Newcastle – 1ª dose do 4º ao 14º dias de vida; 2ª dose do 21º ao 28º dias de vida; 3ª dose do 40º ao 60º dias de vida; 5ª dose entre a 18º e a 22ª semana e a 6ª dose entre a 45ª e a 50ª semana de vidas com New-Vacin na dosagem de 0,03ml gota nasal ou gota ocular;

Bronquite Infecciosa – 1ª dose do 4º ao 14º dias de vida com Bio-Bronk-Vet (H-120) na dosagem de 0,03ml gota nasal ou gota ocular; 2ª dose do 21º ao 28º dias de vida com Bio-Bronk-Vet (H- 120) na dosagem de 15-20litros na agua de beber; 3º dose da 10ª a 16ª semana com Bio-Bronk-Vet (H-120) na dosagem de 30 a 35

litros na agua de bebida; a 4ª dose entre a 18ª e 24ª semana com New-Bronk-Vet Oleosa na dosagem de 0,5ml intramuscular; e a 5ª dose entre a 45ª e 50ª semana com Bio-Bronk-Vet (H-120) na dose de 35-40 litros na agua de beber. Coriza Infecciosa – 1ª dose entre a 6ª e 10ª semana de vida

com Bio-Koriza-Vet (A,B,C); a 2ª dose entre a 10ª e a 15ª semana de vida com Bio-Koriza-Vet Óleo (A,B,C);

Bouba Aviária – 1ª dose entre o 7º e 10º dias de vida com Bouba Forte, utilizando o aplicador na membrana da asa; 2ª dose entre a 8ª e 12ª semanas com Bouba Forte, utilizando o aplicador na membrana da asa.

A cada semestre imunizar as aves com Inter-Mult 6 oleosa que previne contra Newcastle, Bronquite Infecciosa, Coriza Infecciosa e Queda de Postura.

Maiores detalhes, vide bula que acompanha cada frasco das vacinas indicadas.

Deseja se tornar um associado? Cadastre-se abaixo

Preencha todos os dados corretamente.

Preencher Já!